Em reação a Humberto, Silvio leva Marília à Câmara para defendê-la

Maria do Rosário e Marília Arraes

 

Por Blog de Jamildo Melo

Horas após o discurso de Humberto Costa no Senado defendendo a aliança entre PT e PSB em Pernambuco, o deputado federal Silvio Costa (Avante) reagiu na Câmara. O parlamentar aproveitou a ida da vereadora do Recife Marília Arraes, pré-candidata a governadora contra Paulo Câmara (PSB), para discursar defendendo o nome dela em chapa própria do PT. O parlamentar tem se colocado como pré-candidato ao Senado de Lula e, como é opositor dos socialistas, se os petistas integrarem a chapa, o inviabilizaria na majoritária.

“Candidata a governadora de Pernambuco pelo PT, neta de Miguel Arraes, está muito bem posicionada nas pesquisas e o PSB de Pernambuco, junto com o PT de Pernambuco, de forma desleal, quer agredir a democracia e retirar a candidatura de Marília Arraes”, afirmou o deputado no plenário da Câmara, com a vereadora do lado, em meio à confusão da votação desta tarde.

Marília Arraes esteve em Brasília para reuniões com parlamentares do PT. Ela tenta viabilizar sua candidatura apesar da movimentação do grupo de Humberto Costa pela aliança.

Marília Arraes começou a viajar pelo Estado no ano passado, em pré-campanha, após o PT anunciar que teria candidato próprio. Meses depois, com a condenação e agora a prisão do ex-presidente Lula, porém, cresceu dentro do partido a corrente que defende a retomada da aliança com o PSB. Socialistas e petistas romperam no Recife antes das eleições de 2012, quando o então governador Eduardo Campos lançou a candidatura de Geraldo Julio. Em 2013, para disputar a presidência, deixou a base de Dilma Rousseff.

 Até a semana passada, as discussões com os socialistas eram tratadas como assunto nacional, atribuído a uma aproximação entre os presidentes dos dois partidos, Gleisi Hoffmann (PT) e Carlos Siqueira (PSB). No último dia 3, no entanto, o vice-presidente estadual do partido, Oscar Barreto, aproveitou a visita de integrantes da direção nacional para apresentar um documento pedindo a aliança com o PSB.

O PT havia marcado para 12 de maio um congresso para definir se fecharia o apoio a Paulo Câmara ou não e, no caso de candidatura própria, se o nome seria o de Marília Arraes, o do deputado estadual Odacy Amorim ou o do militante José de Oliveira, os três inscritos. Na última sexta-feira (4), todas as partes entraram em acordo e decidiram adiar a discussão.

PUBLICIDADE

Três dias após assumir publicamente pela primeira vez que defende a aliança Humberto Costa, líder da oposição no Senado, levou para a Casa o assunto que divide o Partido dos Trabalhadores no Estado. Em discurso na tribuna, não citou nomes, mas alfinetou o grupo de Marília.

 “É necessário reconhecer que o PSB tem feito gestos em favor da construção dessa aliança, e o PT não pode se negar à discussão da formação desse campo progressista. Mais que isso, o nosso partido deve usar da altivez, da inteligência e da maturidade adquiridas em 13 anos à frente do País, para colocar os interesses da população, do Brasil e de Pernambuco antes dos interesses partidários e, principalmente, dos interesses pessoais”, afirmou o parlamentar. O petista é cotado para uma das vagas ao Senado na chapa socialista, que também deve ser composta por Jarbas Vasconcelos (MDB).